Publicada no dia 07/11/2009
A procura e o encontro com Cristo
O mês de novembro inicia-se com a celebração da Solenidade de Todos os Santos (01/11). Mês esse que nos vai conduzir ao Tempo do Advento – que sempre começa no fim desse mês ou no início de dezembro –, e ao mistério do nascimento de Jesus Cristo. Novembro, portanto, é o mês da vigilância, da preparação, da disponibilidade, do despojamento interior e exterior. Neste sentido, nada como o exemplo de todos os santos, conhecidos e desconhecidos por nós que, em uníssono, nos apontam para o Único necessário. Novembro, mês de grandes santos, como São Carlos Borromeu (4/11), São Leão Magno (10/11), São Martinho de Tours (11/11), Santa Gertrudes (16/11), Santa Isabel da Hungria (17/11), Beato Roque González e seus companheiros (19/11), Santa Mectildes (20/11), Santa Cecília (22/11), São Clemente I (23/11), São Columbano, abade (23/11) e, por fim, o grande apóstolo Santo André (30/11). É este último que, com São João Evangelista, encontra por primeiro Jesus e o reconhece como o Senhor, conduzindo seu irmão Pedro até Ele: - “Encontramos o Messias, que é chamado o Cristo!”. E por que o encontrou? Porque o procurava! Era discípulo de João Batista, ouvia seus ensinamentos e, ao ser-lhe apontado o Cordeiro de Deus, foi até Jesus. Este lhe diz: - “Que procurais? Ele pergunta: - “Rabi, onde moras?” E Jesus responde: - “Vinde e vede!” A procura do Messias levou André até Ele; foi e viu onde morava, permanecendo com Ele. André torna-se, assim, o primeiro apóstolo que anuncia o Messias e conduz seu irmão Pedro até Ele. A procura leva ao encontro, a permanecer com Ele, ao anúncio do Reino e a conduzir muitos para a experiência desse encontro decisivo em nossa vida cristã. Cada cristão, cada um de nós, é chamado a ser como o apóstolo André, o primeiro “missionário” entre os apóstolos. Ele que, ante a multidão faminta, indica a Jesus um menino que levava cinco pães e dois peixes, tornando assim possível o milagre da multiplicação dos pães. Hoje, ele nos ensina que somente se pode multiplicar em nossa vida, o que é partilhado, dado, oferecido. André nos introduz no Tempo do Advento e nos conduz ao mistério da Natividade do Senhor. Com seu testemunho de fé (deixa imediatamente o barco, a pesca e o pai – Mt 4,22), de prontidão, de disponibilidade, ele nos ensina que não há nada mais caro nesta vida que o Cristo. Esse Cristo pelo qual sofreu perseguições, até dar o seu próprio sangue, morrendo sobre uma cruz, em X, traçando com o próprio corpo o nome do Salvador (PX). Procurar, encontrar, reconhecer e seguir Jesus, deve ser o nosso contínuo programa de vida, para que um dia possamos fazer parte dessa multidão de santos que nos antecedeu na glória do céu.

Madre Martha Lúcia Ribeiro Teixeira,OSB