Apresentação do Coral dos Coroinhas de São João Bosco, da cidade de São João del Rei

5 de julho, 14º Domingo do Tempo Comum. Parte dos integrantes do Coral dos Coroinhas de São João Bosco, associação da cidade de São João del Rei, Minas Gerais, cantaram na Celebração Eucarística deste dia, alternando o canto de peças do Ordinário VIII, em canto gregoriano, com a nossa comunidade.
A missa foi celebrada por Pe.Massimo Casaro, sacerdote do PIME, e concelebrada pelo Pe.Georgino, sacerdote haitiano, que passa alguns dias no Mosteiro de São Bento em Vinhedo.
Após a Eucaristia, nossa Madre Martha Lúcia convidou a assembleia para apreciar um pouco mais da música sacra, agradecendo a beleza e presença daquele encontro. O coral apresentou algumas peças de canto gregoriano, dirigidos pelo regente do coral e professor de música dos coroinhas, Paulo Márcio Amaro, que entrou no grupo em 1979, com 7 anos, e hoje é professor no Conservatório da cidade.
Familiares e amigos acompanharam o grupo que ficou hospedado em nosso mosteiro nesse final de semana.
Em 2012, eles lançaram um CD com antífonas de Nossa Senhora, duas missas de Angelis, cantos eucarísticos e três antífonas e salmos: um da Quarta-Feira Santa, outra da Sexta-feira Santa e o último do sábado da Semana Santa. O CD pode ser adquirido em nosso mosteiro.
A Associação, pertencente à Paróquia da Catedral Basílica de Nossa Senhora do Pilar, São João del Rei, foi fundada por padre José Teixeira Pereira (in memoriam). Com fundamentos na educação salesiana, Pe. José iniciou no início dos anos 70, mais precisamente em 1972, um movimento que arrebanhava meninos a estarem mais próximos da celebração eucarística. Começava ali a Associação dos Coroinhas de Dom Bosco.
Muitos e muitas jovens por ela passaram. Toda a existência desse movimento que em 2012 completa 40 anos foi baseada em três pilares: educação, piedade e responsabilidade. Nossas irmãs Elisabeth e Ângela, ambas de São João del Rei, participaram deste movimento.
Cerca de 70 membros formam o grupo atualmente: 40 menores em formação e 30 maiores, na maioria casados que, com muita boa vontade, dão continuidade a esse trabalho.